Em ato unificado, centrais sindicais e movimentos sociais abraçam prédio da Previdência Social

Em Ato Público unificado, que encerrou Dia Nacional de Mobilizações, Manifestações e Paralisações contra a reforma da Previdência, dirigentes e militantes das centrais sindicais, movimentos sindical, sociais, estudantis e populares ocuparam a Praça Sete, na Região Central de Belo Horizonte, na tarde desta segunda-feira (19). A manifestação, que ampliou o diálogo com a população sobre os efeitos da proposta golpista, foi seguida de marcha até à sede do INSS, próximo ao local. Os manifestantes deram um abraço simbólico ao prédio do instituto, que simboliza a Previdência Social, as aposentadorias e os benefícios sociais que estão sob ameaça. No encerramento do ato, a manifestação ocupou todas as vias da Praça Sete. O Dia Nacional de Mobilizações, Manifestações e Paralisações deu início à Semana de Lutas em Minas Gerais.

“Pela quarta vez nós derrotamos a reforma da Previdência, com mobilizações, atos e paralisações. Foi assim com a greve geral que impedimos que fosse votada. Vivemos um dia exitoso aqui em Minas Gerais, e nossas ações não se encerram hoje. Este ato é a unidade da pluralidade, que fortalece a nossa resistência contra o golpe”, disse Beatriz Cerqueira, presidenta da Central Única dos Trabalhadores de Minas Gerais (CUT/MG).

Durante o ato, Beatriz Cerqueira voltou a pressionar os parlamentares mineiros, que, por causa das mobilizações evitam se pronunciar o posicionamento sobre a reforma da Previdência. Ela fez a chamada com os nomes dos deputados federais e senadores que votaram a favor da reforma trabalhista, a proposta golpista que rasgou a CLT. E deu o aviso: se aprovarem a reforma da Previdência, não serão reeleitos.