Para mulheres, 13º Congresso Nacional da CUT já começou

A chuva e neblina que mudou o clima da Praia Grande na tarde deste domingo (6) não prejudicou a Plenária das Mulheres da CUT, realizada na Colônia de Férias dos Viajantes, na Vila Mirim. De todos os cantos do país, de diversas categorias e sotaques, mais de 300 mulheres deram a largada dos debates do 13º Congresso Nacional da CUT “Lula Livre” – Sindicatos Fortes, Direitos, Soberania e Democracia, que vai tem início nesta segunda (7) e termina na quinta-feira (10).

Elas discutiram desde as resoluções da Central, a mudanças estatutárias e até as estratégias das mulheres da CUT para o próximo período em defesa dos direitos sociais e trabalhistas, de igualdade de oportunidades e no enfrentamento à violência contra as mulheres na vida e no trabalho. Um encontro nacional de mulheres ou mesmo uma marcha de trabalhadoras à Brasília não estão descartadas.

JORDANA MERCADOJordana Mercado
Juneia Batista na abertuta da Plenária das Mulheres – 13º Concut

“Nós organizamos esta plenária para pensar como vamos nos portar e fazer nossas propostas nesta agenda do Congresso que vai debater, além da conjuntura nacional, a internacional, organização sindical, financiamento e resoluções, como também o plano de lutas”, explicou a Secretária Nacional da Mulher Trabalhadora, Juneia Batista.

A Plenária das mulheres é a primeira agenda da programação do 13º Concut, que está sendo considerado um dos mais importantes da Central, lembrou a vice-presidenta da CUT, Carmen Foro. Para ela, nestes quatro anos que separaram um Congresso do outro muitas coisas mudaram. “Enfrentamos enorme retrocesso com muita luta e resistência, mesmo assim a classe trabalhadora ainda tem muitos desafios”, disse se referindo ao golpe de 2016 que destituiu a presidenta Dilma Rousseff e a eleição de Jair Bolsonaro, político de extrema direita, ligado a empresários.

“Em 2015, quando aconteceu o 12º Congresso nós tínhamos Lula Livre, Dilma era presidenta e estava com a gente e não tínhamos estes ataques contra nossos direitos. O que aconteceu neste período foi um ataque à democracia, com inúmeros retrocessos sociais e trabalhistas e nós somos as mais prejudicadas”.

JORDANA MERCADOJordana Mercado
Carmen Foro

A unidade entre as mulheres é fundamental para encarar os desafios do próximo período porque se depender deste governo as mulheres voltarão para o fogão, afirmou Carmen, que citou a Marcha das Margaridas, que reuniu mais de cem mil mulheres do campo e da cidade, em Brasília, em agosto deste ano, como inspiração para as futuras lutas.

“Nós podemos virar o jogo com organização, estratégias e unidade e a Marcha das Margaridas deste ano é a expressão mais clara de que nós podemos sim mobilizar,  estar nas ruas, nos locais de trabalho para enfrentarmos os nossos desafios”, concluiu a vice-presidenta da CUT, que gritou “Lula Livre” no final de sua fala.

A Secretária-Geral Adjunta da CUT, Maria Faria, relembrou o significado de se fazer o 13º Congresso Nacional da CUT na Praia Grande. Foi nesta cidade, pontuou ela, que a história da CUT começou.

“Estamos voltando às origens e a gente sabe que a virada do tempo que teve na cidade não esfriará o calor humano que temos aqui no Concut para dar norte ao próximo período para superamos toda e qualquer dificuldade”, destacou Maria Faria, que coordenou a organização do 13º Concut.

“Esperamos que o encontro atinja corações e mentes e que a gente possa sair daqui muito mais forte do que chegamos”, finalizou a Maria depois de explicar toda a programação e falar sobre os debates que serão realizados.

JORDANA MERCADOJordana Mercado
Maria Faria

 

Fortalecimento das mulheres na história da CUT e Lula Livre

A mesa de abertura da Plenária de Mulheres do 13º Concut contou com a participação da ex-ministra de Políticas para Mulheres Eleonora Menicucci, a ex-secretária de Políticas para Mulheres de São Paulo Denise Motta Dau, que já foi diretora da CUT, e a ex-secretária da Mulher Trabalhadora da CUT, Rosane Silva.

Antes de começar a falar a ex-ministra puxou o coro do parabéns para o ex-presidente Lula que, de acordo como registro, comemora neste dia 6 de outubro seu 74º aniversário.

A mulherada se levantou e cantou emocionada o parabéns para você, mas Eleonora fez questão de explicar para as mulheres na plenária que a data de nascimento de Lula é no dia 27 próximo, “mas como ele foi registrado no dia 6 o Parabéns também vai hoje”.

Com o plenário gritando “Lula Livre”, a ex-ministra contou que sempre esteve envolvida com a Central e que desde os anos de 1980 foi conselheira da Comissão da Questão de Mulheres e há alguns anos da secretaria da Mulher Trabalhadora.

JORDANA MERCADOJordana Mercado
Eleonora Menicucci

“Eu acompanhei todo o processo e sei que se não fosse a luta das mulheres da CUT este espaço não existiria. As mulheres trabalhadoras sempre entenderam a importância de termos organismos de perspectivas de gênero para a vida das mulheres tanto dentro da CUT quanto fora”, afirmou Eleonora.

Ela pontuou também a importância da secretaria de Política para Mulheres no executivo e da luta organizada para a implementação de políticas públicas específicas.

Denise Motta Dau, ex-secretária de Políticas para Mulheres de São Paulo durante o governo de Fernand Haddad e também ex-diretora da CUT, ressaltou a história das mulheres dentro da CUT e citou algumas pautas femininas desde a fundação da Central, como a luta por creche e pela descriminalização do aborto.

Para Denise, a organização das mulheres da CUT é fundamental para a resistência que precisará ser feita nestes próximos períodos com Bolsonaro e governos ultraliberais que avançaram por estados e municípios. “As mulheres precisam estar organizadas e as secretarias da Mulher Trabalhadora, tanto nacional, quanto as estaduais, são fundamentais para garantir direitos e discutir novas propostas para as mulheres trabalhadoras”.

“Para consolidar a política é fundamental um espaço especifico para avançar na igualdade de gênero e direitos”, finalizou Denise.

JORDANA MERCADOJordana Mercado
Denise Motta Dau

Outra ex-dirigente que valorizou a unidade e a organização das mulheres foi a ex-secretária da Mulher Trabalhadora da CUT, Rosane Silva.

“Construímos os últimos 8 de março grandes e combativos, estivemos à frente em diversos momentos fundamentais para não perdemos mais direitos e nunca deixamos de estar nas ruas”, afirmou Rosane, que representa a CUT na Vigília Lula Livre, em Curitiba.

Ela destacou a importância da liberdade do ex-presidente Lula, mantido preso político desde abril de 2018, para a luta das mulheres e de toda a classe trabalhadora.

“Lutar pela liberdade de Lula é estratégia da CUT e das mulheres trabalhadoras. Não existe democracia com Lula preso, não existe direitos para mulheres e para classe trabalhadora com ele preso. Vamos mandar uma mensagem para ele e dizer que as mulheres da CUT estão reunidas e que nós estaremos com ele onde ele estiver”, finalizou emocionada Rosane, que também encerrou sua fala com um forte grito Lula Livre.

JORDANA MERCADOJordana Mercado
Rosane Silva

 

 

 

Free Download WordPress Themes
Download Premium WordPress Themes Free
Premium WordPress Themes Download
Free Download WordPress Themes
udemy course download free

Disponível em <https://sindifes.org.br/atos-em-betim-e-bh-levam-as-ruas-as-pautas-do-dia-de-luta-em-defesa-do-brasil/> Acesso: 23/10/2019 às 12:50