CATEGORIA DELIBERA cobrar o passaporte vacinal, nova manifestação da reitoria e do comitê covid a partir dos novos indicadores da pandemia e mantém a decisão de não retorno presencial de 100% dos trabalhadores ao mesmo tempo a partir do dia 10 de Janeiro

CATEGORIA DELIBERA cobrar o passaporte vacinal, nova manifestação da reitoria e do comitê covid a partir dos novos indicadores da pandemia e MANTÉM A DECISÃO DE NÃO RETORNO PRESENCIAL DE 100% DOS TRABALHADORES AO MESMO TEMPO A PARTIR DO DIA 10 DE JANEIRO

 

A Categoria dos Técnico-Administrativos em Educação da UFMG deliberou, em Assembleia Sindical Geral, a manutenção pelo não retorno presencial de 100% de TODOS os trabalhadores ao mesmo tempo, a partir do dia 10 de janeiro de 2022. A Assembleia, realizada nesta segunda-feira, dia 10 de janeiro, por meio do aplicativo Zoom Meetings teve mais de 330 participantes simultâneos.

Na Assembleia foram repassados os informes sobre a Reunião do FONASEFE no dia 14.01 que irá discutir e definir:

a) data do Lançamento da Campanha Salarial 2022 dos servidores públicos federais (SPFs);

b) indicativo de paralisação no dia 18.01 para alertar e pressionar o governo federal a conceder reajuste salarial para todos os SPFs;

c) construção de greve unificada dos SPFs para fevereiro de 2022;

2) Adesão do SINDIFES à Campanha de Solidariedade às vítimas das enchentes em Minas Gerais e;

3) Reunião da Comissão com a PRORH.

 

Após os informes da Comissão a Categoria discutiu e deliberou os seguintes encaminhamentos:

1) manter o não retorno presencial de 100% de TODOS os trabalhadores ao mesmo tempo a partir do dia 10 de janeiro;

2) manter o revezamento que já estava acontecendo desde outubro de 2021 quando ocorreu o retorno presencial;

3) Cobrar da Reitoria e do Comitê COVID da UFMG que se manifestem a partir dos novos dados da pandemia levando-se em consideração os novos indicadores de transmissibilidade da nova cepa ômicron; da consequente ocupação de leitos, principalmente na grande BH; o surto de H3N2 influenza que superlotou os Postos de Saúde e as UPAs e as chuvas na grande BH e em Minas Gerais que trarão aumento dos riscos de aparecimento de vários tipos de doenças infecciosas. Acreditamos que não é possível avançar para a 3ª etapa do plano de retorno presencial;

4) Cobrar da Reitoria a imediata obrigatoriedade do passaporte vacinal da comunidade universitária, considerando a decisão do Ministro Ricardo Lewandowski do STF que suspendeu o despacho do Ministério da Educação que impedia as universidades e os institutos federais de exigir comprovante de vacinação para liberar o retorno às atividades presenciais. Lewandowski deixou claro que “As instituições de ensino têm, portanto, autoridade para exercer sua autonomia universitária e podem legitimamente exigir a comprovação de vacinação”;

5) Chamar Assembleia Sindical Geral no dia 17.01 para avaliar as movimentações, intervenções, articulações e definir os encaminhamentos;

6) Discutir na Assembleia do dia 17.01 a aprovação da construção de greve unificada dos SPFs para fevereiro de 2022 tendo como pauta a Campanha Salarial.

7) O SINDIFES, através de uma Comissão, fará visitas presenciais aos setores) deptos/diretorias para verificar os problemas detectados pelos servidores e após levantamento repassará e cobrará da Reitoria a resolução dos problemas. A Comissão é aberta a participação da base.

8) O SINDIFES buscará apoio do APUBH e do DCE para realizar reunião conjunta com a Reitoria para discutir sobre os novos dados da pandemia e a paralisação do avanço da 3ª etapa do plano de retorno presencial. Discutir e divulgar nota conjunta.


Disponível em <https://sindifes.org.br/sindifes-convoca-tae-da-ufmg-para-assembleia-de-deflagracao-de-greve-na-quarta-dia-26/> Acesso: 24/01/2022 às 02:53