Milhares de trabalhadores e estudantes ocupam as ruas de Belo Horizonte contra a reforma da Previdência

Milhares de trabalhadoras, trabalhadores e estudantes tomaram as ruas de Belo Horizonte na manhã desta sexta, 14 de junho, dia da Greve Geral Contra a Reforma da Previdência e Contra os Cortes na Educação. O ato é um desdobramento das manifestações realizadas nos dias 15 e 30 de maio e também foi realizada em mais de 20 cidades mineiras.

Trabalhadores da Educação, dos Correios, da saúde, metroviários, da Copasa, bancários, metalúrgicos e eletricitários, entre outras categorias participaram da Greve Geral. Ao menos 28 organizações: 10 sindicatos, 5 entidades estudantis, 7 centrais sindicais e 6 federações ou confederações marcaram presença nas manifestações.

Para a coordenadora do SINDIFES, Cristina del Papa, a Greve Geral é um forte recado para o Governo, “estamos nas ruas contra a reforma da Previdência e contra os cortes na Educação. Não iremos aceitar que o governo e parlamentares os tirem direitos. Se votar a favor da reforma, não volta!”, disse ela.

Intervenções em Belo Horizonte começaram cedo

As atividades começaram cedo, com fechamento de avenidas e estações do MOVE. A comunidade universitária da UFMG fechou a avenida Antônio Carlos por volta das 6h da manhã, que foi reaberta com a chegada do Batalhão de Choque da Polícia Militar. Não houve confronto e a reabertura da avenida ocorreu pacificamente.

Às 8h30 começaram a sair os ônibus do campus Pampulha em direção ao campus Saúde, onde os três segmentos da UFMG se concentraria para a marcha rumo ao ato unificado na praça Afonso Arinos.  Por volta das 10h, começou a primeira parte do ato, com a comunidade universitária da UFMG, CEFET-MG e IFMG caminhando rumo a Praça Afonso Arinos, passando pelas avenidas Alfredo Balena, Afonso Pena e João Pinheiro.

Na praça Afonso Arinos os discursos lembravam a importância de barrar a reforma da Previdência que aumenta a idade mínima para aposentadoria e amplia o tempo mínimo de contribuição. As falas também questionaram a política de desmanche e privatizações dos governos federal e estadual. O governo Zema também foi fortemente atacado por não estar conseguido fazer a gestão do estado e descumprir todas as promessas de campanha.

Ao meio dia, a passeata seguiu pelas avenidas João Pinheiro, rua dos Timbira, Avenida Afonso Pena, Praça Sete, Avenida Amazonas e terminando na Praça da Estação, onde foi realizado um ato cultural.

Download WordPress Themes
Free Download WordPress Themes
Download Premium WordPress Themes Free
Download Premium WordPress Themes Free
free download udemy paid course

Disponível em <https://sindifes.org.br/sindifes-entra-com-recurso-para-incluir-representacao-dos-tae-na-eleicao-do-conselho-de-pesquisa-e-pos-graduacao-do-cefet-mg/> Acesso: 23/10/2019 às 13:25